Rio Tejo
Rio Ardila

Douro Internacional
Douro Vinhateiro
Badajoz - Jerumenha
Rio Zêzere
Ribeira de Raia
Lisboa - Alhandra
Seixal
Barreiro
Gaio Rosário/Sarilhos
Ilha do Rato
Ilhas Berlengas
Sapal de Coina
Tróia
Sado Challenge
Sesimbra
Portinho da Arrábida
Cascais
Costa Vicentina
ALQUEVA
 - Granja - Estrela
 - Rio Alcarrache
 - Rio Dejebe
 - Estrela - Mourão
 - Jerumenha/Monsaraz
CANOAGEM / BTT
- A Rota das Minas
RAFTING
- Rio Paiva
BARCOS DRAGÃO
- Regatas / Taça Portugal
FORMAÇÃO
- Técnicas


2018 -COPYRIGTH BY KCT-KAYAK CLUBE DO TEJO NOTÍCIAS I LINKS I LOJA
CONTACTO I HOME I MAPA DO PERCURSO CASTELO DA JUROMENHA

JERUMENHA - MONSARAZ
Este é um dos percursos mais longos da série Alqueva (cerca de 60km) mas é também um dos que proporciona mais variedade de paisagens.
Começamos na vila de Jerumenha, local até há bem pouco tempo esquecido dos roteiros turísticos mas que agora, com o advento da Barragem de Alqueva, se tornou bem mais conhecido.
Com excelente acesso até junto à água, o início da actividade tem como pano de fundo a colina onde se ergue a Fortaleza. Algumas centenas de metros à frente a calma impera e é possível navegar junto à margem por entre troncos de árvores mortas onde várias espécies de aves fazem os seus ninhos. Aqui e ali, afloram formações rochosas daquilo que antes da enchente eram montes, as margens são baixas e permitem saídas sem problemas.
Nesta zona,  navegamos rumo a Sul fazendo-se sentir uma ligeira brisa após o meio dia o que permite desfraldar velas e navegar ao sabor do vento, quem as não tiver aproveita a boleia da ondulação ligeira. Como começámos perto das 10h30, fazemos uma paragem para almoço nas ilhas de pedra, montes de aluvião que se concentram na zona.
Reiniciada a actividade, mantemos rumo a Sul na zona mais recta do percurso fazendo paragem pelas 17H30 no final desta espécie de recta com 16km onde montamos acampamento. Trata-se de um local onde existem excelentes condições para acampar (até mesa com bancos existe…) onde o pessoal dá largas à imaginação ao jantar inventando uns petiscos bem regados.
A etapa do dia seguinte é a mais longa com uma distância a percorrer de cerca de 30 km pelo que se dá início bem cedo. A paisagem altera-se, existem áreas de cultivo e criação de gado (mais do lado Espanhol), o trajecto é bastante mais curvilineo e o rio começa a alargar. Estamos junto a Cheles (Esp) e desembarcamos na praia fluvial de um tasco onde nos espera uns enchidos e sangria fresquinha tudo à mesa e sob a sombra protectora de um chapéu. Retemperados, esperanos mais uma quinzena de kms até ao local do 2º acampamento que fica a já escassos 10 km de Monsaraz mas que apesar de poucos preferimos deixar para a manhã do dia seguinte. A noite oferece-nos a imagem das luzes de Monsaraz ao longe.
A manhã do último dia de viagem começa com uma breve visita a algumas baías com muita vegetação e aves aquáticas, logo mais entramos numa zona do rio ainda mais larga e o vislumbre do Castelo de Monsaraz acompanha-nos até ao local de desembarque onde fazemos  o resgate. Chegando cedo ainda dá tempo para uma visita a Monsaraz e, quiçá, mais uma almoçarada.

A Vila fortificada de Monsaraz teve como origem provável um castro pré-histórico, posteriormente romanizado. Com o declínio do império romano caíu na posse dos visigodos, sendo tomada já no séc IX pelos mouros, que lhe deram o nome de Saris.