Rio Tejo
Rio Ardila

Douro Internacional
Douro Vinhateiro
Badajoz - Jerumenha
Rio Zêzere
Ribeira de Raia
Lisboa - Alhandra
Seixal
Barreiro
Gaio Rosário/Sarilhos
Ilha do Rato
Ilhas Berlengas
Sapal de Coina
Tróia
Sado Challenge
Sesimbra
Portinho da Arrábida
Cascais
Costa Vicentina
ALQUEVA
 - Granja - Estrela
 - Rio Alcarrache
 - Rio Dejebe
 - Estrela - Mourão
 - Jerumenha/Monsaraz
CANOAGEM / BTT
- A Rota das Minas
RAFTING
- Rio Paiva
BARCOS DRAGÃO
- Regatas / Taça Portugal
FORMAÇÃO
- Técnicas


2018 -COPYRIGTH BY KCT-KAYAK CLUBE DO TEJO NOTÍCIAS I LINKS I LOJA
CONTACTO I HOME I MAPA  DO PERCURSO

DOURO INTERNACIONAL - TROÇO SUPERIOR
Antes de tudo o mais importa referir e agradecer o esforço do companheiro José Raposo (CDPA) sem o qual a histórica Descida do Douro seria improvável.
Aqui ocorrem as rochas mais antigas de Portugal, os gnaisses de Miranda do Douro, assinalados com idade Pré-Câmbrica. O setor de Mogadouro situa-se na orla do maciço de Morais, onde ocorrem rochas ofiolíticas, testemunhos de antigos fundos oceânicos que foram trazidos à superfície e cavalgaram a costa continental, devido aos esforços tectónicos que originaram, nesta região e durante o Paleozóico, uma cadeia de montanhas designada Hercínica, similar em muitos aspetos aos atuais Himalaias, e que se estendeu até à costa leste americana. Várias estruturas geológicas, conhecidas como mantos de carreamento e que foram as responsáveis pelo transporte para a superfície dos antigos fundos oceânicos, surgem também neste setor do Parque Natural e na sua envolvente. A variedade litológica é notável, estando assinalada a ocorrência de diversos tipos de granitos, gnaisses, migmatitos, serpentinitos, calcários, mármores, travertinos, quartzitos, xistos e grauvaques, assim como diversos depósitos de terraço e cascalheiras. Verifica-se também a existência de testemunhos fósseis de uma antiga fauna marinha de idade Câmbrica.

CANOAGEM - Dividida por três etapas no total de cerca de 50 km, o grupo concentrou-se no Barrocal do Douro tendo aproveitado o resto do dia para conhecer a região culminando com uma jantarada. No dia seguinte partimos para a Barragem de Castro (ESP) onde iniciámos o 1º troço com cerca de 15 Km até Miranda do Douro e começou o espectáculo ao navegar por entre as Arribas do Douro.  De ambos os lados falésias altíssimas (e sem acesso à água…) enquadravam o leito do Douro, formações fantásticas surgiam a cada esquina e o silêncio só era cortado pelo som das pagaias. Numa curva surge o “Despeñadero de la Finiestra” e logo mais fragas de cor e forma deslumbrantes onde Grifos e Abutres do Egipto nidificam. Chegados a Miranda do Douro armazenaram-se os kayaks e relizaram-se visitas locais. No 2º troço realizámos cerca de 22 km até à Barragem do Picote e a paisagem continuou magnífica, junto ao “Pé do Douro” encontram-se vestígios da “Rota do Contabando” e cascatas de água límpida. Chegádos ao Picote fizemos algumas visitas locais seguidas de um jantar convívio. A 3ª e última etapa, Picote - Bemposta cerca de 14 km, começou com a passagem pelo “Picão do Diabo” e com a mesma paisagem a emoldurar a nossa actividade, fragas, silêncio, águas calmas, cascatas e muita fauna e flora.
Resta referir o espírito de entre-ajuda que permitiu ultrapassar obstáculos e resolver todas as situações inesperadas próprias deste tipo de activividade.


CUÔNTA DE LA BACA  I DE LHOBO

Era ua beçun lhobo, auncuntrou ua cochina que tenia uns cochinicos. I chegou o lhobo a la borda deilhes i dixo que is queria comer. La cochina dixo que nó, que aguardara mais uns dias.
- Puis bien, acá benirei.
Fui para arador i dixo-le que le habie de comer las bacas, i dixo i arador:
- Nó, que inda stan mui fracas. Deixaremo-las mais uns dias.
Apuis fui para ua que staba nun cerrado a angordar.
- Ah baca que te bou a comer!
- Ahora num me comas, deixa-me mais uns dies que inda stou mui fraca.
Dalhi a uite dies fui i lhobo a comer la baca i dixo-le i lhobo:
- Agora bou-te a comer!
- Puis come, come!
Prendiu i lhobo ua cuôrda a la baca i dixo la baca al lhobo:
- Mete la cuôrda an ne cachaço. Agora quiêres que te ansine cumo faien las bacas ne berano quando dá la mosca?
- Ansinai, ansinai.Todo yê bien saber.
Saltou la baca a fugir cun i lhobo a la rasta. Apuis cobrou-se la cuôrda i fui i lhobo pa la raposa i dixo-le:
- Si, si comadrica, Se la cuôrda nun quebra i le nuôlo nun desata, you iba parar a casa de i duôno de la baca.


Lingua Mirandesa, texto recolhido por José Vasconcelos.